domingo, 10 de janeiro de 2016

Los Três Amigos

  Provavelmente seus pais devem ter lido Los Três Amigos, ou alguma revista de Angeli, Laerte ou Glauco. Depois da revista O Pasquim, esses três foram os pioneiros dos quadrinhos no Brasil e venderam mais exemplares que qualquer outro cartunista. Se você ainda não conhece, vamos com calma, apresentando cada um deles. 

  Angeli é conhecido por ser o cartunista brasileiro mais irreverente. Robert Crumb perde pros personagens dele. Angeli tinha a revista ''Chiclete com Banana'', nos anos 80, com histórias de sexo, drogas e um estilo de vida alternativo de São Paulo na época. Depois da Chiclete com Banana, algumas obras de mais sucesso de Angeli foram publicadas em coleções de livros, com recorde de vendas nas livrarias. Em 2006 o diretor Otto Guerra decidiu fazer um filme dos personagens mais famosos de Angeli: os hippies undergroung Wood e Stock. O desenho tem a trilha sonora de Tom Zé, Rita Lee, Júpiter Maçã, Raul Seixas e outras personalidades da música hippie underground. E a personagem Rê Bordosa foi dublada pela cantora Rita Lee. O filme completo está nesse link:

  Rê Bordosa foi a principal personagem de Angeli. A que trouxe um público enorme para ele, a que vendeu mais exemplares, e quando suas tiras foram reunidas num livro, foi o livro que mais vendeu no ranking de algumas livrarias. 


  Desde então Angeli tem seus trabalhos publicados na Folha de São Paulo, e em 2012 seus trabalhos foram reunidos na exposição Ocupação, em São Paulo. 


  Laerte Coutinho é o meu favorito dos três. Meu cartunista favorito de todos, aliás. Nos anos 80 ele tinha as revistas ''Striptiras'' e ''Piratas do Tietê'', que venderam tantos exemplares quando a ''Chiclete com Banana'', do qual ele também fazia algumas participações. Laerte já foi nomeado o maior desenhista do país, e seus livros são como verdadeiras obras cinematográficas. Inclusive uma de suas histórias virou um filme, com uma produção fantástica. 

  Em 2010 ao lançar o livro ''Muchacha'', Laerte chocou o Brasil ao se assumir ao crossdressing e dizer abertamente em uma entrevista: ''Sim, eu sou um travesti!''. Laerte deixou o cabelo crescer, aderiu a vestimenta feminina e com isso ficou exposto na mídia cada vez mais. De 2012 pra cá, Laerte é entrevistado nos principais programas de entrevistas e foi capa de várias revistas do país. 




  Em 2014 Laerte ilustrou o livro ''Storynhas'', de Rita Lee, e foi no lançamento desse livro que eu me encontrei com ele, depois de alguns meses trocando Emails. 


  Hoje em dia Laerte apresenta seu próprio programa de tv, ''Transando com Laerte'', no Canal Brasil da tv fechada, conversando com atores, autores e redatores sobre temas diversos e tabus. O que dá o toque especial do programa, é seu filho Rafael Coutinho desenhando, em algumas cenas

  O terceiro desenhista é Glauco. Eu não sei muito sobre Glauco, mas eu tenho um livro ótimo que reúne as tiras do Geraldão, considerado seu personagem principal. Glauco era dono de uma estranha seita espiritual que ficava na sua casa no interior de São Paulo, e em 2010 ele e seu filho foram assassinados por um um insano frequentador dessa seita. 



  Os três tem como marca registrada de seus trabalhos as páginas cheias e bem detalhadas de pornografia, filosofia, estórias engraçadas. Se reuniram para desenhar juntos ''Los Três Amigos'', que são estórias deles mesmos vestidos de mexicanos, e que se transformou num clássico da literatura brasileira. Recentemente foi lançado o livro ''Três Mãos Bobas'', que tem estórias desenhadas pelos três juntos. 

  Eles três fizeram parte da minha adolescência, e eu tenho um acervo com a coleção completa das revistas deles, vários recortes de jornais das tiras de Angeli e Laerte, revistas e jornais com matérias sobre eles e livros Pockets dos três: 









  Sempre quando me pedem opinião sobre quadrinhos, eu recomendo os três, e se você quiser algum livro deles emprestado, é só me pedir que eu empresto. 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário